TOP 5 (#1)

20 de set de 2010

Acho que o meu primeiro lugar não é muita surpresa pra várias pessoas haha Todo mundo já tá cansado de mer ver indicando esse livro até pra mendigo na rua. Confesso que ele não me marcou como Pollyanna, até porque são livros bem diferentes e Pollyanna foi livro de infância, mas O Pacto foi que o que mais me tocou e me emocionou, sem dúvidas. A Jodi tem uma sutilieza incrivel até mesmo em assuntos mais delicados.
Vou fazer uma resenha diferente, vou colocar algumas passagens marcantes do livro, ok?

#1 O Pacto - Jodi Picoult

Sinopse - O Pacto não é um romance de amor qualquer. Isso porque a relação de Emily Gold e Chris Harte também não é uma relação qualquer.
O casal de adolescentes parece ter apenas um coração, uma só pele... eles parecem ser a mesma pessoa. Um amor que extrapola a vida e a morte, que está além da razão. Um amor que os levou a fazer um pacto de suícidio... mas Chris sobreviveu. Teria ele assassinado a amada? O estilo inimitável de Jodi Picoult faz as lágrimas escorrerem sem querer. A delicadeza e a tragédia preenchem as belas páginas deste livro. O final inesquecível marcará seu coração para sempre.


Olha, preciso começar concordando plenamente com o final dessa sinopse.
A história emocionante de Chris Harte e Emily Gold nos toca a fundo e nos faz refletir se realmente conhecemos até mesmo as pessoas mais próximas a nós.
O livro não é dividido em capítulo e sim em passagens do presente e flashbacks da infância e adolescência de Chris e Emi. Nos familiarizamos com a história deles, desde a amizade infantil e ao mesmo tempo complexa, até o começo do namoro.
As famílias se conhecem desde que os Gold se mudam para a casa ao lado da dos Harte, a partir de então surge uma amizade que levaria seus filhos a um destino inesperado e chocante.

"- Olha só, minha filha tem uma hora de vida e já está dormindo com um cara. - Brincou Michael.
Todos olharam para o berço. O bebê mexeu os bracinhos, num reflexo. Os dedos médios se abriram com um esplendor matinal e se fecharam, tentando agarrar alguma coisa. E, embora sem ter a menor noçãodisso, Emily Gold dormiu segurando com força a mão de Christopher Harte."

Chris e Emi possuem uma relação que vai muito além do amor e da amizade. Eles são o que chamamos de alma gêmeas, se completam e parecem perdidos um sem o outro. Chris é o típico atleta, nadador, adora praticar esportes. Emily é a tipica nerd, boas notas, gosta de pintar e faz quadros impressionantes para a idade.
Aos poucos Emily começa a agir de modo estranho e falar coisas que deixam Chris confuso. Quando ela pede um tempo, ele acaba se rendendo aos encantos de Donna, que já havia deixado claro que estaria disponível para ele a qualquer momento. O que ele não imaginava era o impacto que aquilo teria em Emi.

"Ela havia imaginado muita coisa para aquele encontro, menos raiva. Remorso, talvez. Alegria, aceitação. Mas não a expressão que estava na cara dele. - Vim perguntar se o seu programa foi bom. - disse ela, com voz trêmula.
Chris xingou e passou a mão no rosto. - Não preciso disso. Não posso fazer isso agora. - Virou-se para entrar na casa.
- Espere! - gritou Emily. As palavras estavam molhadas de lágrimas, mas ela levantou o queixo e cruzou os braços tentando parar de tremer. - Eu, hum, estou com um problema. Terminei o namoro, sabe? Estou muito chateada, então queria falar com meu melhor amigo. - disse, engolindo em seco e olhando para a terra escura. - O problema é que os dois são você."

Quando o assunto morte começa a ser tocado com naturalidade por Emily, Chris faz tudo que pode para convencê-la a parar de pensar sobre aquilo. Tenta mostrá-la as coisas boas da vida na intenção de fazê-la pensar de outra forma e parar de insistir em um assunto tão delicado e assustador.
O que ele não sabe é que Emily vem guardando coisas para si mesma desde que era criança. Sem saber como agir e a quem recorrer, acaba caindo no abismo da morte por achar que é a única solução. A única coisa que pode livrá-la de tanto sofrimento.
Incapaz de deixar pra trás o garoto de sua vida, e num ato egoísmo e desespero, pede que Chris vá embora com ela e propõe um pacto de suicidio.
Acompanhamos a luta de Chris até o final para fazer com que sua amada desista dessa idéia que lhe parece tão absurda, mas que se tornou fixa na mente da garota.

"- Você tem idéia do quanto eu quero você? Alguma idéia? - perguntou, suave.
Ela mordeu o lábio. - Querer não é a mesma coisa que amar.
Ele riu, assustado. - Você está brincando? Eu amo você desde, bom, puxa, eu amo você a minha vida inteira. A única novidade pra mim é a parte do desejar. - Ele tocou a testa de Emily com o polegar. - Querer não é a mesma coisa que amar , mas pode muito bem ser, pelo menos pra mim.
- Por quê? - Emily conseguiu perguntar.
Chris sorriu e isso a vez ficar quase sem defesa. - Porque querer você me fez amar você muito mais."

"Na primeira vez que Emily disse a Chris que queria se matar, ele riu.
Na segunda, fez de conta que não ouviu.
Na terceira, ouviu."

O que eles não poderiam prever é Chris sairia vivo desse pacto.
Encontrado na cena do crime, Chris é acusado como principal suspeito da morte de Emily.
A partir de então acompanhamos a luta e o sofrimento de duas familias destroçadas. Sofremos junto com Chris em sua tentativa de provar que é inocente e que nunca teve a intenção de matar a amada.
De forma sutil, Jodi Picoult nos leva a compartilhar os sofrimentos dos personagens e sentir na pele suas angustias.
Com um desfecho de tirar o fôlego e fazer qualquer amante de um verdadeiro romance se debulhar em lágrimas, O Pacto é uma história surpreendente, capaz de marcar o coração de qualquer leitor.

Vou deixar aqui o meu quote favorito. Ou pelo menos eu acho que é o favorito. É dificil escolher a melhor parte desse livro.

"Quando amamos uma pessoa, colocamos as nescessidades dela acima das nossas. Por mais inconcebíveis que fossem tais necessidades, por mais loucas, por mais que nos despedaçassem.

- Pode me falar sobre Emily? - perguntou o psiquiatra.
Chris cerrou os olhos. Como ele poderia explicar para uma pessoa que nunca a viu, que ela cheirava a chuva e que ele sentia um nó no estômago toda vez que ela soltava os cabelos da trança? E como ela terminava uma frase que ele estava dizendo e virava o caneco para beber exatamente no mesmo lugar onde ele tinha bebido? Como explicar que eles podiam estar num vestiário, mergulhados numa piscina ou na floresta dos pinheiros do Maine, mas, se Emi estivesse junto, ele se sentia em casa?
- Ela era minha. - Chris disse apenas.
O dr. Feinstein franziu o cenho. - O que isso quer dizer?
- Ela era tudo o que eu não era. E eu era tudo que ela não era. Ela conseguia desenhar qualquer coisa, eu não consigo fazer uma linha reta. Ela nunca fez esporte, eu nunca deixei de fazer. - Chris levantou a mão aberta e dobrou os dedos. - A mão dela cabia na minha. - disse."


Espero que gostem e leiam o livro. Vale a pena ter em casa pra ficar relendo algumas partes que ficam gravadas na memória.
xx

4 comentários:

Babi Lorentz disse...

Eu já vi você falando várias vezes sobre o livro, mas nunca tinha ido atrás de uma resenha ou até mesmo da sinopse pra saber do que se tratava. Mas vi agora que vale a pena ler. Parece ser daqueles livros que prendem a leitura, que te fazem acompanhar linha por linha, palavra por palavra. Esse quote que você postou, na hora que o Chris fala "A mão dela cabia na minha", caramba! Me ganhou demais.

Nia disse...

Aaaaaaahhhhhhh! Eu postei resenha sobre o livro ontem no meu blog e você está sendo citada nela hahahaha Porque eu criei vontade de ler depois de ver todos os seus comentários no twitter! E tipo assim, o livro virou muito meu preferido, sou completamente apaixonada e concordo com cada palavra e cada trecho que você escolheu!
Beijoo

Nia disse...

Com toda certeza do mundo... o livro é uma coisa meio inexplicável, daquelas que te deixa pensando muito sobre tudo tempos depois. Na verdade, até hoje me pego pensando no egoísmo da Emily e no amor sem medidas do Chis. Fico me perguntando se realmente ela merecia tudo que ele fez e passou por ela. Entro em parafuso toda vez que paro pra pensar na história hehehe. Eu amo o quote que postamos, acho simplesmente uma das partes mais lindas. Mas existem outras duas que você postou, que me marcam muito também. Uma é aquela em que a Emily vai até a cada do Chris e diz que tanto o melhor amigo, quanto o ex- namorado são a mesma pessoa, acho muito fofa! E a outra é essa: "Quando amamos uma pessoa, colocamos as nescessidades dela acima das nossas. Por mais inconcebíveis que fossem tais necessidades, por mais loucas, por mais que nos despedaçassem." Acho que resume muito todo o sentimento e atitude do Chris. Enfim, acho que poderia falar do livro a minha vida toda...hehehe
Segue lá sim! Só falo merda, mas...
hehehe Já te sigo há tempos! Leitora assídua das suas fics!

Babi Lorentz disse...

ah, te indiquei ao Blog de Ouro. (: http://babilorentz.com/?p=456